Skip to content

TI para Negócios

Como fazer a tecnologia trabalhar pelo seu sucesso e da sua empresa

A Marriott International, Inc., líder global em hotelaria, e a Salesforce (NYSE: CRM), líder mundial em CRM, acabam de anunciar o lançamento global da nova plataforma de reconhecimento de clientes do grupo hoteleiro. Viabilizada pela Salesforce, a plataforma permite à Marriott interagir de forma contínua e em escala global com os associados de seus programas de fidelidade por meio de seus canais (call centers, propriedades, web e dispositivos móveis).

“O objetivo da Marriott é tornar-se a empresa de viagens mais querida do mundo. A melhor forma de fazer isso é utilizando uma plataforma global de reconhecimento de clientes que conecte os hóspedes à nossa equipe de profissionais, dedicados a encantar pessoas a cada estadia”, diz Brian King, Global Digital & Sales Officer da Marriott International. “Nossa parceria com a Salesforce é essencial para proporcionar uma experiência positiva a nossos hóspedes e, assim, permitir que eles dediquem mais tempo aos seus interesses e atividades durante a viagem”.

Combinando a hotelaria de última geração da Marriott com a inovadora tecnologia de atendimento aos clientes do Salesforce Service Cloud, a plataforma oferece uma visão abrangente dos perfis de cada hóspede, além de informações relevantes que ajudam os agentes a realizar atendimentos personalizados em todos os pontos de contato. Agora a interação é contínua e pode acontecer nas principais plataformas de mensagens e aplicativos móveis, sites e call centers da Marriott, sem perda de dados e informações.

“Não existe um hóspede ou viajante típico. Todos nós temos necessidades, motivações e expectativas únicas e esperamos viver uma experiência personalizada”, diz Taimur Khan, gerente geral da Salesforce e vice-presidente de viagem, transporte e hotelaria. “Graças à Salesforce, a Marriott pode oferecer um serviço conectado e personalizado através do canal de preferência de cada cliente, do planejamento da viagem até sua realização e, assim, redefinir as expectativas ao longo de toda a jornada do viajante”.

A Dassault Systèmes, empresa 3DEXPERIENCE, líder mundial em software de projetos 3D, 3D Digital Mock Up e Product Lifecycle Management (PLM), anuncia que o Instituto Mauá de Tecnologia é o primeiro Centro Certificador Acadêmico no Brasil. Inicialmente, a Instituição de Ensino está apta a fornecer treinamento e certificação de CATIA, software líder de Engenharia para projetos de excelência com uso de CAD 3D. Com a parceria, clientes, profissionais, parceiros e estudantes poderão expandir seus conhecimentos e certificar suas aptidões em relação às práticas internacionais e normas do mercado.

Os projetos de colaboração entre a Dassault Systèmes e a instituição não são recentes. O Instituto Mauá de Tecnologia é uma entidade sem fins lucrativos dedicada ao ensino e à pesquisa científica e tecnológica. Considerado uma das melhores Instituições de Ensino Privado do País, foi a primeira universidade do Brasil a adquirir a plataforma 3DEXPERIENCE, que integra processos de negócios e de desenvolvimento de produtos em um ambiente digital. Com ela, professores e alunos de Engenharia desenvolvem projetos para os mais diversos segmentos, incluindo aplicações para a Indústria 4.0, por meio de um aprendizado na prática e com os modelos mais avançados para a criação de produtos e fábricas inteligentes. A Prosys Educacional, solution partner da Dassault Systèmes, apoiou o processo de implementação das soluções, entendendo as necessidades do projeto e promovendo a capacitação dos professores.

O Instituto tem investido em diversas iniciativas relacionadas à aplicação da tecnologia ao mercado de trabalho, incluindo treinamentos profissionalizantes e até mesmo a criação de um Smart Campus para pesquisas relacionadas à Internet das Coisas (IoT).

“O universo acadêmico é fundamental para a Dassault Systèmes e, por isso, ficamos extremamente satisfeitos em anunciar esta parceria com um importante Centro de Ensino e Pesquisa do Brasil. Este programa de certificações proporciona a oportunidade única de atestar habilidades de profissionais brasileiros, evidenciando suas competências e contribuindo para um currículo com mais credibilidade, que é fundamental para o sucesso em um mercado tão competitivo”, afirma Ligia Oliveira, Business Development for Academia da Dassault Systèmes para América Latina.

O CATIA é um software que oferece tanto a possibilidade de modelar produtos, como também de simular e analisar o seu comportamento no mundo real. Ela permite otimizar a conclusão dos projetos, bem como a configuração de sua produção, graças às diversas funções integradas, como montagem, cinemática, captação do conhecimento e a troca de dados em toda a cadeia de desenvolvimento.

“Ao oferecermos para os alunos ferramentas consagradas mundialmente, estamos construindo conhecimentos que vão prepará-los para se destacarem em suas profissões, diferenciando-se como empreendedores ou superando as expectativas das empresas com as quais trabalharão”, explica o professor Marcello Nitz, Pró-Reitor Acadêmico do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia.

Para a emissão da certificação, é necessário realizar o curso e as provas que atestam o conhecimento da solução. A primeira turma teve início em março de 2018 e a próxima iniciará em agosto deste ano. Esse projeto na Mauá está sendo tratado como uma atividade complementar para os cursos de Administração, Engenharia e Design, e o responsável na Instituição é o professor Jorge Kawamura.

Por Antonio João Filho, Diretor Executivo Comercial da Embratel para Mercado Financeiro

Ao serem questionados sobre seus principais ativos, os presidentes de instituições financeiras provavelmente elegeriam os dados como um dos itens no topo da lista, incluindo nessa categoria as informações dos negócios, dos clientes e das transações. Além de insumo para a estruturação das operações das organizações, esses dados são a base e a garantia para a manutenção do modelo de negócios do segmento, bem como para sua evolução. Com o grande fluxo de transações financeiras, já amplamente realizadas por meios eletrônicos, a segurança e a privacidade dos dados tornaram-se um grande desafio para os de líderes de bancos, seguradoras e empresas de crédito.

Os casos recentes de vazamento de informações de usuários de serviços de importantes empresas ganharam repercussão mundial e causaram grande impacto financeiro e de reputação para diversas marcas. A exposição da falta de privacidade dos clientes gerou campanhas mundiais de boicote às companhias, que imediatamente registraram queda nas ações na bolsa de valores. Imagine, então, qual seria o impacto do vazamento de dados em instituições financeiras vítimas de cibercriminosos. É fácil deduzir: colocaria em risco o futuro das empresas, com perdas imensuráveis. Um simples vazamento de senhas de correntistas, sejam pessoas físicas ou jurídicas, pode resultar no roubo de milhões de reais em poucos minutos.

Apesar de ter voltado à tona nas manchetes recentemente, a discussão em torno da privacidade dos dados não é novidade. Segundo estudos sobre o tema, a preocupação com o sigilo das informações foi a responsável por impulsionar os gastos com segurança digital no ambiente corporativo nos últimos três anos. Entre as soluções que receberam mais aporte estão ferramentas de segurança de dados e de gerenciamento de acesso. Só com essa última solução, serão gastos mais de US$ 4,5 bilhões em 2018, segundo o Gartner. Nesse cenário, os bancos, sempre pioneiros no quesito tecnologia, terão uma grande participação nos investimentos e na mudança de cultura do mercado brasileiro para investir mais em prevenir do que em remediar. Sem dúvida, esse modelo deve ser seguido por várias empresas nos próximos anos.

Além da criação de rígidas leis nos Estados Unidos, China e em países da Europa nos últimos anos, outra mudança também amplia a atenção para a segurança de dados do setor financeiro: a transformação digital. Se antes íamos ao caixa do banco para pagar contas e resolver questões pendentes, hoje conseguimos fazer todas as atividades financeiras pela tela do computador, tablet e, principalmente, por smartphone, que já são os principais canais de acesso a transações bancárias.

O setor bancário brasileiro tem liderado os investimentos em inovação, superando a faixa dos R$ 18 bilhões ao ano para atender a um consumidor cada vez mais digital e preocupado com a conveniência e segurança dos ambientes online para transações eletrônicas. A tendência é que parte desse montante seja direcionado para nossas soluções que ajudem na proteção dos negócios, uma vez que um ataque cibernético poderá impactar de forma definitiva os negócios. Empresas de diversos segmentos seguirão também esse caminho traçado pelas instituições financeiras. Estudos globais indicam que mais de 60% das organizações irão destinar grande parte do orçamento de TI para aquisição de múltiplas ferramentas de segurança de dados, tais como testes contínuos de vulnerabilidade, prevenção de perda de dados e criptografia.

Para atender à crescente demanda por segurança, é importante que instituições financeiras trabalhem com tecnologias com características preditivas, que consigam identificar previamente possíveis ameaças, monitorando o que acontece no tráfego da rede e detectando, inclusive, movimentos na Deep Web e Dark Web. Soluções com essa capacidade controlam eventuais vazamentos de dados, uma vez que qualquer movimento indevido é imediatamente reportado para as empresas, que também são orientadas sobre as melhores estratégias de defesa para se protegerem das ameaças.

Olhar para dentro da sua própria infraestrutura é outro exercício obrigatório para as organizações financeiras. Ferramentas de avaliação de vulnerabilidade permitem, entre outros pontos, conhecer o grau de visibilidade de um usuário interno na rede corporativa e os possíveis danos que podem ser causados no caso de acesso aos dados pessoais dos clientes, por exemplo. Soluções como essas, fornecidas por companhias com expertise e excelência na oferta de sistemas de TI, são capazes de mitigar ataques e impedir que os sistemas das empresas se tornem indisponíveis diante de tentativas de roubo de dados.

Não basta instalar uma ferramenta hoje e utilizar a mesma por anos. É importante ter em mente que as ameaças evoluem e podem ficar mais sofisticadas, encontrando novas brechas nos sistemas. Por isso, o trabalho de segurança e proteção de dados precisa ser feito de forma contínua, com apoio de parceiros tecnológicos experientes. Com serviços especializados, é possível proteger informações e a infraestrutura, permitindo que os bancos e toda a cadeia do setor financeiro se dediquem aos seus negócios. Na era digital, dados valem ouro.